EM DEUS, MEU SALVADOR

EM DEUS, MEU SALVADOR

Desejo que o mundo possa um dia encontrar aquilo que não consigo dar nome. A experiência de amor nunca caberá em uma explicação intelectual ou meramente demonstrativa. Dói muito saber que a resposta certa existe e não é buscada. Dói muito ver o outro se afundar na angústia e não abrir mão de convicções vazias. 

Fico aqui, beirando o desespero de minha limitação, em uma espécie de cinema mudo com gestos em preto e branco que gritam em silêncio: o céu é de verdade, minha gente! Deus não é ilusão! 

Hoje, aos pés de Nossa Senhora, é de se repetir: avança como aurora em nossas vidas, Mãe. Olha com misericórdia para essa ignorância que nos cega. Teu silêncio não é ausência, mas presença. Retira-nos desse conformismo barato, dessa evangelização preguiçosa, dessa falta de coragem coletiva e entorpecente.

Eu creio que, de algum modo, em algum tempo e lugar, aquilo que não consigo dar nome se tornará uma realidade na vida do meu irmão também. Essa experiência de amor tão única se espalhará. A oração e a fé não serão resíduos de um conceito. Deus fala! Agora. Olha só, agora mesmo. Presta atenção.